Estudantes da Fundação João Pinheiro discutem preconceito e discriminação

foto jp

Mais de sessenta e cinco estudantes do curso de Administração Pública da Fundação João Pinheiro, em Belo Horizonte, participaram de uma atividade formativa ligada àPlataforma Política “Juventudes contra Violência” na terça-feira passada, dia 7 de outubro. O encontro aconteceu no âmbito do evento “Jogos do Curso Superior de Administração Pública – gênero e raça/discriminação e preconceito”, temas relacionados ao universo das Políticas Sociais, um dos eixos programáticos da Plataforma.

Na primeira parte da atividade, as educadoras do Fórum conduziram uma dinâmica para identificar possíveis situações de preconceito no cotidiano das pessoas. Em seguida, foi discutido o que cada um/a sentiu ao “entrar na pele” do/a personagem em questão. As facilitadoras também chamaram a atenção para a diferença entre a discriminação e o preconceito: embora esses termos sejam utilizados como sinônimos, o primeiro tem relação com a opinião das pessoas, enquanto o segundo envolve comportamentos e ações concretas de segregação.

Outra atividade buscou estimular a reflexão sobre os tipos de preconceito/discriminação existentes em algumas instituições e/ou em determinadas relações, como homossexuais em escolas e negros/as na mídia. O encontro foi encerrado com mais uma dinâmica, cuja proposta era contribuir para a o debate em torno da superação de barreiras socioeconômicas e culturais que limitam a vida de parcela considerável da juventude brasileira. A adoção de políticas afirmativas foi apontada com uma das principais estratégias para o enfrentamento dessas desigualdades.

Ao final das atividades, as educadoras apresentaram a plataforma política Juventudes contra Violência, com foco no eixo Políticas Sociais, e convidaram os/as participantes a aderirem à iniciativa.

Atividades formativas
Lançada em agosto deste ano e fruto de um intenso processo colaborativo entre grupos, coletivos e movimentos atuantes no campo das juventudes e direitos humanos, a plataforma política Juventudes contra Violência estabelece 10 pautas prioritárias para o enfrentamento à violação dos direitos das juventudes. São propostas que buscam assegurar o desenvolvimento integral dos/as mais de 52 milhões de jovens brasileiros/as com dignidade e cidadania.

Grupos, coletivos e organizações da sociedade civil em todo o país podem realizar atividades livres que dialoguem com os conteúdos da plataforma. São bem-vindos debates, seminários, rodas de conversa, batalha de rimas, saraus e outras formas criativas de estimular o debate em torno dos eixos programáticos. Clique aqui para saber mais.

Veja outras fotos do encontro em nossa página do Facebook.