É mais embaixo

por Bruno Vieira
integrante do Fórum das Juventudes da Grande BH

 

Fazendo uma rápida análise da situação de Belo Horizonte, por meio de reportagem publicada ontem (22/04) pelo jornal O Tempo, poderíamos concluir que a culpa do não cumprimento das promessas da Prefeitura de Belo Horizonte é da vice-prefeitura. Não é bem por aí.

Segundo a reportagem, parece que o Centro de Referência da Juventude (CRJ) não sai do papel por causa de uma picuinha, mas dizemos: é mais embaixo. O CRJ está sendo planejado como um grande elefante branco, sem escuta e participação de grande parte das juventudes na sua construção (apenas um “grupo seleto” encontra-se na condução do projeto). A PBH e o Governo de Minas, este com 2/3 da verba, estariam encarregados da construção. Mas ainda não há projeto conceitual para o Centro. Diga-se de passagem, não existe mais uma pessoa designada para “tomar conta” do CRJ – a que estava à frente do processo, não sabemos se por livre e espontânea pressão, pediu para sair.

Uma conjuntura maior está travando o processo de Políticas Públicas para as Juventudes em BH. Não é apenas uma picuinha entre PBH e vice. É desrespeito da PBH com a cidade de Belo Horizonte.

O elefante branco voltou à pauta. Sim, porque do jeito que está sendo concebido, o CRJ vai é virar um grande galpão na Praça da Estação. Repetimos: o buraco é mais embaixo.