Assembleia Popular e Horizontal: ‘Na quarta, vamos evitar o Mineirão’

Brasil – De esquerda em esquerda – Acabo de chegar da assembléia ampliada dos organizadores das manifestações em BH, que ocorreu embaixo do viaduto Santa Tereza, na capital mineira. Conversei com várias lideranças de movimentos que estão inseridos na coordenação aberta das manifestações. Todos afirmam que evitarão conduzir a passeata, na quarta, para o Mineirão. Alguns afirmaram que tentaram ocupar várias ruas no entorno, respeitando os limites impostos, e organizarão “peladas”. Me disseram: “enquanto o Brasil jogar lá no estádio, nós jogaremos na rua”.

É emocionante ver o amadurecimento político dos jovens, nesses dias de tensão e disputa. Todos relatam que há evidente disputa para conduzir as pautas e passeatas. Daí, nas diversas falas que se sucederam, o consenso era fechar as demandas em trêitens. Até o momento que presenciei as discussões, a municipalização do transporte pública, a desmilitarização da polícia e a revogação da Lei Geral da Copa figuravam como centro das propostas. Também se falou em apresentar uma lei de iniciativa popular pelo Passe Livre. Um jovem informou que a OAB se dispõe a apoiar a formatação do projeto.

Muitos lamentaram o uso do espaço da UFMG como base de apoio da PM. Muitas propostas para contornar esta situação foram se apresentando ao longo da assembléia.

Vários líderes me informaram que há duas grandes preocupações a partir de agora:

a) trazer as mobilizações para agendas mais populares e concisas, evitando críticas genéricas como fim da corrupção e reforma política (sem nenhum foco nítido e claro, disseram) e b) criar sistemas de autodefesa que coíba atos de violência durante as manifestações.

 

* Os grupos de trabalho da Assembleia Popular e Horizontal são: 1) Transporte 2) FIFA e grandes eventos 3) Saúde 4) Educação 5) Moradia 6) Polícia 7) Reforma Política, Minoria e Direitos Humanos 9) Democratização da mídia 10) Meio Ambiente.

 

Fonte: Diário Liberdade

 

copa_001